Pular para o conteúdo principal

Sobre o óbvio

Certos autores nos passam despercebidos que chegamos a perguntar como não os conhecemos antes? Darcy Ribeiro é um deste. É descrito no Wikipédia como antropólogo, escritor e político mas é lógico para não usar a palavra óbvio de cara, ops, que é muito mais que isto. Mas deves estar perguntando onde quero chegar? Recentemente, sei que este termo em breve perderá sentido, em uma aula de Introdução ao Ensino da Geografia foi me apresentado o texto sobre o óbvio presente na obra Ensaios Insólitos durante uma leitura coletiva as reflexões eram tecidas. O texto dentre outras temáticas aborda a forma como a elite brasileira faz para se manter tanto tempo no poder, primeiramente utiliza o analfabetismo da população brasileira em seu estado bruto e posteriormente a precariedade no sistema educacional. O texto data de 1979 mas continua atualíssimo.

Darcy Ribeiro



Postagens mais visitadas deste blog

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

RESENHA CRÍTICA

PÓS – GRADUAÇÃO LATU SENSU EM JORNALISMO, CIDADANIA E POLÍTICAS PÚBLICAS MÍDIA, VIOLÊNCIA E SEGURANÇA PÚBLICA PROFESSORA: ALDA COSTA ALUNO: BRUNO FIGUEIREDO TURMA: 3JCP





RESENHA CRÍTICA






BELÉM 2014 TIPO DE PERIÓDICO: REVISTA TÍTULO: VIOLÊNCIA E MEIOS DE COMUNICAÇÃO DE MASSA NA SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA AUTOR: MARIA STELA GROSSI PORTO ANO DE PUBLICAÇÃO: 2002                LOCAL: PORTO ALEGRE ÁREA DE CONHECIMENTO: SOCIOLOGIA

1.IDEIA CENTRAL DO PERIÓDICO: A idéia central do periódico perpassa sobre a influência da violência nos meios de comunicação de massa na sociedade contemporânea.

2.POSIÇÃO DA AUTORA: A autora Maria Stela concorda com o conceito de violência proposto pelo filósofo francês Yves Michaud em que ele afirma que há várias formas de violência geradas por um ou mais atores agindo de forma direta ou indireta.

3.DIÁLOGO COM AUTORES: Maria Stela afirma que apesar da dificuldade conceitual da violência a definição proposta por Michaud possui a vantagem de atuar em diversas áreas tais como sociologia…