Pular para o conteúdo principal

FUNTELPA contrata servidor temporário irregular


A Fundação Paraense de Radiodifusão em desrespeito ao artigo 37, II da Constituição Federal, contrata e renova contrato de servidores temporários tendo Concurso Público C-156 (FUNTELPA) ainda em vigor o referido concurso expira em novembro de 2012, o mais grave é que esses temporários são jornalista provisionados sem licença expedida pelo sinjor (Sindicato dos Jornalistas no Pará) o que viola o Decreto Nº 83.284, DE 13 DE MARÇO DE 1979. 

O Art 8º Para o registro especial de provisionado é necessário a apresentação de:

V - declaração, fornecida pela entidade sindical representativa da categoria profissional, com base territorial abrangendo o município no qual o provisionado irá desempenhar suas funções, de que não há jornalista associado do Sindicato, domiciliado naquela município, disponível para contratação;

E ao artigo 16:

Artigo 16 A admissão de provisionado, para exercer funções relacionadas nos itens I a VII do artigo 11, será permitida nos municípios onde não exista curso de jornalismo reconhecido na forma da lei e comprovadamente, não haja jornalista domiciliado, associado do sindicato representativo da categoria profissional, disponível para contratação.

Contratação de Jornalista provisionado temporário na FUNTELPA

PORTARIA Nº 542/2012 - PRORROGAÇÃO DE CONTRATO TEMPORÁRIO
NÚMERO DE PUBLICAÇÃO: 399661
PORTARIA N° 524/2012 DE 25 JUNHO DE 2012.
A Presidente da Fundação Paraense de Radiodifusão – FUNTELPA, 
no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo Decreto 
Governamental de 11 de Janeiro de 2011 e de acordo com a Lei 
nº. 7.215 de 03 de novembro de 2008;
Considerando o que determina o artigo 2º da Lei Complementar nº 
07, de 25/09/1991 e a clausula 3ª dos Contratos Administrativos  de Servidores Temporários.

R E S O L V E:

PRORROGAR, o contrato temporário da servidora ANGÉLICA 

NUNES DA SILVA, cargo Repórter Provisionado, período de 

vigência em 02.06 a 02.12.2012, admitida sob o regime da Lei 

complementar nº. 07, de 25 de setembro de 1991.

Os efeitos desta Portaria retroagirão a partir de 02 de junho de 

2012.

REGISTRE-SE, PUBLIQUE-SE E CUMPRA-SE.

ADELAIDE OLIVEIRA DE OLIVEIRA

Presidente da FUNTELPA




A presidente da FUNTELPA Adelaide Oliveira se escuda no artigo 2º da Lei Complementar nº 
07, de 25/09/1991 que diz :

Art. 2º O prazo máximo de contratação será de um ano, prorrogável, no máximo, por igual período, uma única vez.

Parágrafo único. Fica proibida nova contratação da mesma pessoa, ainda que para outra função, salvo se já tiver decorrido seis meses do término da contratação anterior.”

Mas ela não observa a mesma Lei Complementar nº 07, de 25/09/1991 no artigo 01 diz:

Art. 1º A Administração Direta, Autárquica e Fundacional, de qualquer dos Poderes do Estado, inclusive Tribunais de Contas e Ministério Público, poderão contratar pessoal por tempo determinado para atender necessidade temporária de excepcional interesse público.

Excepcional interesse público? Qual seria esse no atual cenário paraense e se há mesmo esse excepcional interesse público por que não convocar o cadastro reserva?.

O Ministério Público e o Sindicato dos Jornalistas no Pará já foram acionados e Mandado de Segurança já foi expedido, em breve mais essa bomba no mandato do Governador Simão Jatene em pleno ano eleitoral.

Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…