Pular para o conteúdo principal

POESIA


Fazia um bom tempo que não lia um livro de poesia, tinha chegado a uma fase de aversão à poesia simplesmente não conseguia digerir qualquer que fosse o poeta. Talvez a culpa tenha sido o “transe” da cidade é tudo muito rápido não dá tempo de respirar quanto menos saborear uma boa poesia.
Alguns dias atrás ao entrar na biblioteca da Unama (mais uma vez) me deparei com a estante de livros paraenses e lá estavam se não me engano três livros do poeta e multiprofissional João de Jesus Paes Loureiro. (ô nome esticado, não sei por que todo mundo que se refere a ele cita o nome dele completo até onde eu saiba não tem nenhum outro João de Jesus Paes Loureiro de renome, por isso vou chamá-lo apenas de Loureiro) como estava falando encontrei com um dos livros da série obras reunidas da editora escrituras de Loureiro, Poesia volume I.
Na loucura de fim de TCC ousei pegar pra dar uma espiada afinal só tinha ouvido falar dele nunca tinha lido nada de sua obra, e que boa surpresa! Quase todas as poesias que li, até agora, do livro me agradaram. Como o livro é de poesia eu leio aleatoriamente abro uma página e pronto; assim é mais gostoso. Leva mais tempo pra terminar isso é verdade, mas assim é bem divertido.

Deslenda rural XI
Tambatajás
                   Vulvas
Abertas, gozo,
                        Leite sangrado
Sêmen recolhido
                          Entre larvas de suor
E ervas de medo.
O seringueiro sangra-se.
Sanguelátex.
                     Sanguessugas
                     Espreitam o aviamento
Húmus e hímens.
                          Deflorações pela várzea.
O empresário
                   O boto
                   O capital
                   A lenda...
Naufragadas ubás
                            Fetos, naus tão frágeis
No placentário ventre das marés.

Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…