Pular para o conteúdo principal

Comece outra vez

Neste clima de Círio trago para voces uma parábola que de certa forma representa o espírito desta época do ano muito especial.
Comece outra vez


  Era uma vez um home teimoso. Montou uma pequena fábrica no fundo do quintal de sua casa. Para isso, investiu tudo o que tinha, inclusive vendeu as jóias da esposa. Após dois anos de intenso trabalho, o produto foi considerado sem qualidade, portanto, rejeitado. Muitos teriam desistido, mas ele não . Voltou à escola, estudou mais dois anos e aprimorou a mercadoria, que foi aceita. Quando tudo se encaminhava, veio a guerra, e sua pequena fábrica foi bombardeada. O homem não se deseperou e a reconstruiu. Mas aí foi a vez de um terromoto liquidar sua empresa. Mais uma vez ele se recusou a entregar os pontos: construiu novamente a fábrica. A guerra chegou ao e seguiu-se uma grande escassez de gasolina em todo o país. Para nada valiam sua empresa e seus automóveis. Ele entrou em pânico e desistiu? Não.

Criativo, ele adaptou um pequeno motor à sua bicicleta e saiu às ruas. Os vizinhos ficaram maravilhados e queriam as chamadas "bicicletas motorizadas". A demanda de motores aumentou muito, e ele ficou sem mercadoria. Estava de novo no ponto zero. Decidiu montar ele mesmo uma firma para desenvolver sua invenção. Mas não tinha dinheiro e recorreu às quinze mil lojas espalhadas pelo país. A maioria recusou, mas um pequeno grupo acreditou  na idéia, e a fábrica tornou-se um sucesso.

Para encurtar a história, esse homem existiu e se chama Soichiro Honda. A empresa, fundada por ele, é uma das maiores multinacionais (acredito que termo mais correto seria transnacional) do mundo, um dos impérios da indústria automobilística, a Honda Corporation.

O mundo está repleto de pessoas insatisfeita e daquelas que desanimam por fracassarem apenas uma vez. A história nunca falará delas. Entretanto, existem aquelas que nunca aceitam a derrota, como Soichiro Honda.

Uma derrota não significa que você é incompetente e está destinado a fracassar. Com a experiência adquirida no fracasso, recomece, aproveitando as lições. O único fracasso que não vale apena é aquele que nada nos transmite. O erro sempre pode nos ensinar alguma coisa.

Essa história eu retirei do livro Histórias de vidas, Parábolas para refletir de autoria de Dom Itamar Vian e Frei Aldo Colombo pela editora Paulinas.




 Caso queiram acompanhar as mensagens de Dom Itamar Vian é só acessar o site da Arquidiocese de Feira de Santana.


Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…