Pular para o conteúdo principal

COMUNICAÇÃO & POLÍTICA



Como estamos em vésperas de mais uma eleição desta vez para vereadores e prefeitos. Resolvi colocar aqui no blog um resumo do livro Comunicação & Política de Antonio Albino Canelas Rubim e que trata deste tema controverso que é política e comunicação. Sinceramente acho que ele "enrola" muito apesar de ter uma visão próxima da realidade, se ele visitasse minha cidade veria o que é política provinciana-guerrilheira.


Sem mais "enrolação" vamos ao que interessa!

-------------------------------------------------------------------
Primeiramente comunicação e política foram estudados e analisados por cientistas políticos e psicólogos e que possuíam idéias conflitantes sobre o assunto.
Os cientistas políticos observam a mídia como um instrumento para a política colocando-a em um plano secundário. O que acaba gerando um desprezo ou um silenciamento acerca do papel da mídia sobre a política.
Para os estudiosos da comunicação ocorre o inverso, eles superestimam o peso da mídia e sua importância para a política. Onde cada área de conhecimento possui uma gama de estudos e teorias que balizam e defende o seu posicionamento sobre política e comunicação. Mas vale ressaltar que o surgimento de estudos e teorias sobre comunicação e política para maioria dos estudiosos, encontra-se nos Estados Unidos entre a década de 20 e 30. Lá a estabilidade democrática possibilitou o aparecimento de estudos e teorias sobre a instrumentalização política da mídia. Dando ênfase para o fascismo e o stalinismo bem como posteriormente a reflexão da utilização intensa da mídia pelos nazistas.
Já as décadas de 30 e 40 evidenciaram a expansão e consolidação dos estudos e teorias que propiciaram a elaboração de teorias como, por exemplo, a teoria hipodérmica e o “duplo fluxo da comunicação”.
Por outro lado o nascimento da política para muitos autores data do século V a.c na Grécia, ou melhor, em Atenas. Concomitantemente aparecem reflexões sobre política, retórica e prática política. Já neste primeiro momento da política verifica-se a comunicação como um mero instrumento que serve de amplificador das idéias políticas.
A política foi engendrada juntamente com a “democracia” no berço do pensamento intelectual e filosófico ocidental, entretanto os debates de estudos e teorias sobre política, comunicação e outros temas ficavam restritos aos homens nascidos nas cidades-estados alijando, portanto a imensa maioria da população. Este quadro começou a reverter-se com o movimento Cartista inglês bem como o movimento sindical na Europa e a atuação e estruturação dos partidos social-democratas e socialistas no século XIX nos Estados Unidos. A atuação da política se transfigurou a um ponto do pensador Max Weber afirmar que os políticos têm a obrigação de expor seus atos a amplas segmentações da sociedade, mas isto não excluiu a utilização legitima ou não de acordos para manterem-se no poder. Gerando, portanto as “zonas de mediação social” locais onde o segredo e a concentração de poder no setor estatal e privado prevalecem.
Num ambiente de distorções sobre o real valor e poder da política predomina o nascimento de “profissionais da política” ou ainda “políticos profissionais” fica evidente que são seres dotados de “iluminação” e “perspicácias” para atuar na política. Este quadro fica agravado quando a mídia põe holofotes em personagens deixando de lado o cunho teórico e modelos de governabilidade, ou seja, o debate e a participação política que deveria envolver todos encontra-se restrita a um grupo seleto de “escolhidos”.
Mas para compreender o papel da mídia na política faz necessária discursar sobre os quatros novos modalidades do pensamento teórico da comunicação.
O primeiro é a comunicação midiatizada e que ganha corpo em meados do século XIX e consiste em formatar ou ainda padronizar as “massas” em um nível comunicacional criando, portanto, uma identificação de coletividade em contraponto a comunicação interpessoal e sua “espontaneidade”, mas para isto exige-se um alto grau de tecnologia para que se faça funcionar perfeitamente.
A segunda modalidade refere-se a “indústria cultural” em que tanto o produto cultural quanto a comunicação encontra-se atrelado e mesmo submissa ao capitalismo e assume um status de mercadoria.
A terceira vertente é o campo da comunicação ou da mídia e é composta por agentes sociais especializados com funções determinadas, mas com interesses, na e para a mídia, diferentes.
A quarta modalidade é a comunicação como rede e que trata de fluxos de informação interligados e entrecruzados.
E é esta quarta ramificação da comunicação: as redes que dão suporte para a vida contemporânea em que para o geógrafo Milton Santos, em A natureza do espaço, nomeia três modalidades das redes.
1. O pré-mecânico.
2. O mecânico intermediário.
3. E o técnico-científico-informacional.
É neste ultimo estágio que as redes quebram espaços, desterritorializando e desmaterializando o espaço onde a fluidez, a volatilidade e invisibilidade são marcas deste novo contexto da comunicação e política.

Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…