Pular para o conteúdo principal

Perfil Narcisa Tamborindeguy

Por: Bruno Figueiredo


Que onda nada, maremoto talvez seja um adjetivo mais apropriado para a famosa socialite Narcisa Tamborindeguy. A gloriosa agitadora da noite chique do Rio de Janeiro revela o lado pitoresco e excêntrico das altas rodas fluminense, mas não é só lá que existem pessoas com estas carcterísticas. A verdade é que conheço inúmeras Narcisas, só que todas são pobres e dificilmente darão pano pra manga. já esta Narcisa além de endinheirada, faz a alegria da galera e tira o país da monotonia de Dilmas, Lulas, CPIs.


O episódio do seio de fora no Baile do Copacabana Palace entro para o rol de flagras perpetrados pela Rede TV!, mas não era carnaval? Então se esqueceram de avisar que a um bom tempo o Brasil é um carnaval sem fim com toda carga de ironia autodestrutiva pincelado com humor negro. O brsileiro ri pra não chorar!


Essa carioca cosmopolita, qual carioca não é cosmopolita? Nascida na camada "up" da sociedade brasileira esbanja bom humor acalentando os sonhos de muitos de viver e ser feliz sem ter de dar explicações ou se preocupar com os vencimentos do alugel, é a personificação do bem estar proporcionado pelo dinheiro.


O que alguns como o doutor Alexandre Merheb teóricos afirmam tratar-se da geração saúde, no qual os verdadeiros dramas sentimentais sucumbem a uma boa maquiagem ou a uma escapada proporcionadas por drogas sintéticas.


Amadas pelos paparazzi e pelas suas "amigas" como a emergente Vera Loyola, Narcisa é organizadora das mais badalas festas no Rio de Janeiro, festas que geram um material e tanto para os fofoqueiros de plantão. Porém não é só em seus "eventos" que ela é o foco das atenções, autora de barracos memoráveis como o da festa de casamento de Constança Teixeira de Freitas com o herdeiro françês Thierry Costes, na casa da avó da noiva, Evinha Monteiro de Carvalho. Outro episódio foi atirar ovos em quem passava na rua e que mereceu matéria no Jornal Nacional. Sua defesa em entrevista para o site revistaquem "Não joguei ivis em ninguém. Tudo não passou de uma brincadeira de adolescente que pediram pra gente inventar depoimentos sobre atirar ovos. O que era brincadeira foi parar no You Tube como se fosse verdade. Há também espaço para caridade na vida de Narcisa Tamborindeguy madrinha da instituição de caridade "Lar de Narcisa" que abriga 200 crianças.



A socialite, advogada, jornalista e escritora Narcisa parece mesmo não ligar as elucubrações filosóficas que fazem em torno dela. Tornar real o carpe diem é seu verdadeiro objetivo. Mesmo que para isso seja necessário espor um seio ou ficar dependurada em um helicóptero em Angra dos Reis.

Postagens mais visitadas deste blog

CONTOS AMAZÔNICOS

Esse post é para quem curte contos, vou por um conto do livro O REBELDE E OUTROS CONTOS AMAZÔNICOS, de Inglês de Sousa publicado pela editora scipione com Ilustrações de Fernando Vilela e com Organização de Maria Viana. O livro contém os contos: O Rebelde, A Quadrilha de Jacó Patacho, O Donativo Do Capitão Silvestre e o Voluntário. Mas antes de colocar o trecho do livro é melhor ver o que o livro diz a respeito do autor.







Inglês de Sousa:

A publicação de Contos Amazônicos, em 1893, deu-se em tempos de agitação política e de efervescência intelectual. Nesse ano saíram Missal e Broquéis de Cruz e Sousa, títulos que inauguraram novo momento literário brasileiro, o Simbolismo.

Para o crítico Araripe Júnior, "a produção literária (...) foi relativamente abundante, pelo menos os jornais e as revistas andaram muito pejadas de pequenas publicações narrativas variando desde o grotesco até o épico".


José Veríssimo apresentou julgamento bem diferente sobre o movimento literário desse ano tã…

Verde Tempo

Hoje ajudando minha esposa a fazer um trabalho da escola que falava sobre trovadorismo relembrei minhas aulas do ensino médio.  A Cantiga do desencontro reavivou lembranças de algo que não volta mais eramos adolescentes sonhando com a universidade; família, emprego e outras obrigações eram uma imagem distante mas de repente as coisas mudaram será que foi eu que mudei? Não sei mas as passagens da vida sempre deixam um gosto de perda, algo que o vento sopra e leva embora e o coração fica espremido entre uma lágrima e outra.  Tudo passa muito rápido alegrias e tristezas se esbarrando dentro de um tornado e eu dentro dele. Saíamos das aulas correndo atrás dos nossos sonhos mas nem tudo é como pensávamos, surpresas, mudanças de rota.
Lágrimas que escorrem e soluços que abafam...
Cantiga do desencontro
"Ai flores do verde tempo, Cheias de sol e distância... Em que canteiro deixaste O aroma de minha infância?
Ai flores do verde tempo, Alvas luas que semeei... Em que camada de terra Mor…

PALAVRÃO NÃO É PORNOGRAFIA

Texto publicado originalmente no O PASQUIM em dezembro de 1969 nº 25 Como o Texto é dividido em 5 partes vou (ou melhor iria pôr) pôr em 5 post devido a extensão do artigo de Rubem Fonseca. Rubem Fonseca
I – PORNOGRAFIA?
Pornografia, do grego pornographos (porne, prostituta + graphein, escrita) significava, originalmente a descrição de prostitutas e da prostituição em relação à higiene pública. Hoje, segundo os dicionários pornografia é o caráter obsceno de uma publicação ou, ou de uma coleção de pinturas.
Quando se diz que alguma coisa é pornográfica é porque essa coisa descreve ou representa: a) funções sexuais ou funções excretoras; b) mediante, em certos casos, a utilização de nomes vulgares comumente conhecidos como palavrões. O termo pornografia, quando utilizado aqui, terá sempre essa acepção.
Freud, no prefácio do livro Scatologie Rites, de Bourke, diz que é comum serem as pessoas afetadas por qualquer coisa que as relembre inequivocadamente da natureza animal do homem... Eles escon…