18 de mai de 2008

RUAS QUE VIRAM LIXÕES


Por: Thiago Leite
Estudante de Psicologia da Universidade da Amazônia.




Todos os dias milhões de pessoas produzem Toneladas de lixo em todo o mundo. O mais preocupante é que ao que parece a realidade brasileira está em situação critica. Não sou eu que falo, mas sim todos os noticiários voltados ou não para a questão ecológica.










Vou tentar me deter a um meio micro, que reflete e intefere no meio macro. A região norte, O Estado do Pará, mas especificamente Belém. É uma capital em que a prefeitura através do programa de saneamento "Limpa Belém" tenta solucionar ou pelo menos amenizar a situação caótica que se encontra a cidade, em alguns pontos menos, outros sem controle.







Acredito que quase todos os bairros ou conjuntos tenham centros responsavéis pela ligação direta com a prefeitura. O que facilita as relações e os debates para melhoria ambiental e física da cidade. Porém, há um grande descuido, pelo menos é o que eu vejo, quanto aos trabalhadores denominados, injustamente, de "BURRO SEM RABO" no que se refere orientação para que estes não joguem lixo em lugares impróprios e em nem um outro lugar, mas sim em conteineres que deveriam ser cedidos pelo orgão responsavél pela limpeza da cidade.






Portanto, fica aqui um alerta para que a população cobre das autoridades um planejamento mais detalhado quanto a isso e, que este planejamento possa atender e gerar emprego qualificado aos "BURROS SEM RABO" que buscam apenas sobreviver daquilo que sobra dos outros.


E isso tem um grande pesar sobre o desenvolvimento das pessoas, da qualidade de vida e promoção de saúde desses trabalhadores e da sociedade, belenense, especificamente.