5 de abr de 2008

CRÍTICA AMBIENTAL ATRAVÉS DO HUMOR

Por: Bruno Figueiredo

Belém foi sede do 1º Salão de Humor da Amazônia que transcorreu entre os dias 25 a 30 de março de 2008 na Estação das Docas. E trouxe como tema Ecologia e Comunicação. O inédito salão atraiu olhares de diferentes faixas etárias e classes sociais despertando a curiosidade e o interesse pelas diversas facetas do humor.

O evento homenageou o ambientalista Camillo Vianna e o jornalista Raymundo Mário Sobral. A organização do evento teve de escolher entre mais de 800 trabalhos inscritos sendo apenas 120 escolhidos e de acordo com o publicitário, músico e coordenador geral do salão Biratan Porto um dos critérios de escolha era a qualidade de idéia. E é com ele que vamos bater um papo.



Bruno Figueiredo: Qual o papel da tecnologia na vida de um cartunista?



Biratan Porto: A tecnologia possui um papel fundamental, apesar de alguns artistas serem avessos a novidades, mas muitos mesclam esta ferramenta com outras mais tradicionais e há ainda aqueles que já trabalham utilizando unicamente o computador.



B.F: O apoio da mídia neste 1º Salão de Humor foi o esperado?



B.P: O Salão foi bem apoiado pela mídia tanto na divulgação interna quanto na externa. Recebemos equipes de comunicação de diversos estados o que deixa clara a importância de um evento como este.



B.F: Em que o Salão precisa melhorar?



B.P: Esperamos contar com uma continuidade, fazer oficinas ligadas à área da educação mais precisamente com escolas públicas de ensino médio e fazer também uma interação com outras mídias.



B.F: Qual a explicação do cartum atrair um público tão diversificado?



B.P: A imagem é fundamental, a pessoa chega e vê, na maioria dos casos, a idéia explícita além da questão das cores e claro da qualidade do profissional.



Uma prova disso é Luiz Carlos, 13 anos, que pretende ser um cartunista para ele “o Salão está sendo muito interessante”, “mas quando eu for desenhar não irei falar sobre coisas tristes como a devastação irei tratar de algo mais leve” ainda para Luiz os artistas venezuelanos foram os que mais lhe agradaram e chamaram sua atenção. Entretanto houve quem discordasse da estrutura e organização do evento para Ana Paula, 18 anos, a disposição dos trabalhos dificultava a movimentação das pessoas aliado a ausência de um monitor que orientasse as pessoas, acabou por apagar o brilho do evento, garante a estudante.



Existem vários tipos de cartuns:


Os cartuns de editorial, também chamados de political cartoons, são um comentário visual de acontecimentos da atualidade. São mais irônicos e satíricos do que humorísticos, e geralmente são imagens “distorcidas” que tendem a salientar um defeito do alvo do cartum (geralmente, políticos). Influenciam fortemente a opinião pública. Alguns artistas do meio, que ganharam fama com estes trabalhos: William Hogarth, o francês Honoré Daumier, o australiano Patrick Oliphant entre outros. As maiorias dos cartoons de editorial usam metáforas de coisas simples e situações corriqueiras do dia a dia para explicar coisas complicadas do mundo da política.


O Cartum nasceu em 1840, quando o príncipe Alberto lançou uma competição entre
pintores para decorar as paredes das “Houses of Parlament in London” com
frescos. O resultado foi que alguns deles eram de certo modo absurdos, tendo em
conta que os autores tanto quiseram dar-lhes um ar de heroísmo que os deixaram
cair no ridículo.Assim o cartum começou a ser considerado “pictorial parody”, um
desenho humorístico e satírico.

Gag cartuns são cartuns de uma só imagem, geralmente acompanhados de uma “caption” colocada externa ao cartum. É um tipo mais facilmente encontrado em revistas e jornais. Os americanos JamesThurber, Charles Addams e Pedro Arno são alguns dos autores deste tipo de trabalhos.


Os Ilustrativos são cartuns que geralmente são encontrados em publicidade ou em material de aprendizagem. Servem para fazer sobressair e explicar melhor uma idéia é a ilustração. Por vezes, são usadas em publicidade, desenhos e personagens que já existiam.
Graphic novel É um termo usado para identificar um determinado tipo de livros de cartum ou comic book. Nas novelas tem uma história mais longa e geralmente são dirigidas a um publico mais adulto. Podem ser publicadas por um período longo de meses ou anos e republicados mais tarde em compilações.


Mini comic Refere-se a uma revista de cartuns menor que a média, feita a mão e geralmente editada, copiada e distribuída pelo seu criador. É assim com este tipo de edição que alguns cartunistas ganham nome para seguir para outros tipos mais tradicionais.
O que se observa que em questão de humor a Amazônia tem um repertório imenso tanto para provocar gargalhadas quanto para despertar indignações.